Se você procura qualidade, inovação e bem-estar, seja bem-vindo à DiCorpo!

Últimas

Cinco Exercícios Isométricos Para Trabalhar as Pernas Em Casa

Existem diversos tipos de exercícios que podem ser praticados em casa, sem utilizar qualquer tipo de equipamento e que são igualmente eficazes. Entre este tipo de exercícios se encontram os exercícios isométricos que são uma ótima alternativa para tonificar e fortalecer os músculos. Conheça cinco exercícios isométricos para trabalhar as pernas em casa.

Agachamento isométrico

Consiste em manter a posição de agachamento por cerca de alguns segundos, podendo ser por 20 segundos ou mais, dependendo do nível de treinamento prévio de cada um. Embora possamos realizá­lo sem mais, podemos executá­lo com as costas apoiadas contra a parede para uma maior comodidade, e uma excelente alternativa um pouco mais intensa é realizar agachamento isométrico com uma perna, contra a parede, ou seja, elevando uma perna por cima da outra. Com este exercício trabalharemos o quadríceps, glúteo maior e, em menor medida, outros músculos das perna

Elevação da pélvis no chão ou ponte isométrica

Deitado de costas, com os pés apoiados no chão e os joelhos flexionados e as mãos em ambos os lados do corpo, elevamos a pélvis para sustentar a posição por aproximadamente 30 segundos. Podemos elevar uma perna sobre a outra para uma maior complexidade do movimento. Com este exercício de contração isométrica trabalharemos principalmente glúteos e isquiotibiais.

Passada isométrica

Em pé, com os dois pés bem afastados dos ombros, adiantamos uma perna e flexionamos a 90 graus, sem que o joelho ultrapasse a ponta do pé. Sustentamos a posição por aproximadamente 20 segundos e mudamos de lado para trabalhar a perna do lado oposto. Com este exercício solicitaremos o esforço dos glúteos, isquiotibiais e quadríceps.

Elevações de calcanhares isométricos

Em pé, com as pernas bem afastadas dos ombros, tire os calcanhares do chão para se sustentar na ponta do pé por 20 a 30 segundos. Também pode ser realizado com apenas um pé para uma maior intensidade. Com este exercício trabalharemos panturrilhas e sóleo.

Adutores isométricos

Sentados em uma cadeira, com as pernas flexionadas em 90 graus e separadas entre si, colocamos os punhos juntos entre os dois joelhos, no centro do corpo. Juntamos as pernas para pressão contra os punhos, empurrando mediante a contração muscular. Mantemos a pressão durante 10 segundos e relaxamos. Podemos repetir cerca de 3 vezes, se desejarmos. Com este exercício trabalharemos todos os músculos localizados na parte interna da coxa, ou seja, adutores e tendões. Se você quiser trabalhar as pernas em casa, sem usar nenhum equipamento, mas conseguindo um

Fonte: http://www.saudedicas.com.br/saude­geral/atividades­fisica/cinco­exerciciosisometricos­para­trabalhar­as­pernas­em­casa­1936635

Qual o melhor horário do dia para se exercitar?

Há explicações científicas para aqueles “hábitos estranhos” das pessoas que acordam cedinho de manhã ou só vão para a cama ao amanhecer.

Quando o assunto é exercício físico, esses hábitos têm papel ainda mais importante, já que podem afetar a performance.

Uma variável crucial é o ritmo circadiano, conhecido popularmente como relógio biológico – a forma como nosso corpo regula hormônios, temperatura corporal, ritmo cardíaco e outras funções essenciais. Tudo influencia o quão alerta – ou sonolenta – uma pessoa se sentirá em determinados momentos do dia.

“Há correlações entre exposição à luz, estações (do ano) e características individuais”, disse Luis Franco Banfonte, secretário-geral da Federação Espanhola de Esportes, ao serviço em espanhol da BBC. “Não dá para generalizar porque é algo pessoal.”

Há estudos indicando vantagens e desvantagens da prática de exercício nos diferentes períodos do dia.

Mas Banfonte ressalta que, “do ponto de vista metabólico e fisiológico, se o objetivo é manter o peso, é mais recomendado que o exercício seja praticado em horários distantes dos horários das refeições”.

Nesse caso, diz ele, o melhor é praticar esportes nas primeiras horas da manhã.

Diversos estudos científicos reforçam a ideia de que a atividade física matinal traz benefícios.

“Se você exercitar sua mobilidade, como quando vai de bicicleta (para o trabalho), alguns hormônios e neurotransmissores – como endorfinas – fazem você se sentir melhor, com mais vigor e de bom humor”, prossegue Banfonte.

“Dessa forma, a pessoa começa o dia melhor, não só do ponto de vista piscológico, mas também fisiológico.”

O lado negativo disso é que, pela manhã, a temperatura do corpo tende a ser mais baixa, o que aumenta o risco de lesões e pode reduzir o desempenho do praticante.

Fim do dia: Performance

Na mão oposta, quem prefere praticar esportes mais tarde se beneficia de temperatura corporal e níveis hormonais no auge, o que melhora o desempenho.

Um estudo da Universidade de Chicago, nos EUA, indica que é mais fácil atingir resultados melhores em resistência e construção de massa muscular exercitando-se no final do dia.

O risco de lesões também é menor, já que o corpo responde mais rapidamente por estar desperto por muitas horas.

“Há pessoas que naturalmente acordam cedo e têm facilidade em pegar no sono. Outras sofrem mais para acordar e, à noite, para voltar a dormir. Eu estou nessa segunda categoria, então tenho dificuldades em me exercitar de manhã”, diz Banfonte.

Além disso, para muitas pessoas, o exercício noturno é uma forma de relaxar depois de um dia estressante.

No entanto, deixar a prática de esportes para muito tarde também pode ser perigoso, adverte o especialista espanhol.

“Exercícios, sobretudo os de alta intensidade, não são recomendados depois das 21h ou 22h porque eles podem afetar os padrões de sono, retardando a vontade de dormir. Isso pode causar fadiga e cansaço no dia seguinte.”

Fonte: http://goo.gl/KmgIdk

atividades_fisicas

Só 2 minutos de exercícios intensos ajudam a queimar gordura

Já ouviu falar no High Intensity Training (Treino de Alta Intensidade)? A proposta indica que dois minutos de exercícios intensos por dia podem fazer grande diferença. O Fast Exercise (Exercício Rápido), proposto pelo médico Michael Mosley, segue essa ideia e afirma que os benefícios incluem melhor condição aeróbica, resistência e redução da gordura corporal.

Existem dois tipos de Exercício Rápido. O Fast Fitness (Fitness Rápido) consiste em exercícios cardiovasculares, como pular corda, correr, subir escadas, pedalar, que se destinam a melhorar o coração e a saúde em geral. O Fast Strength (Força Rápida) envolve atividades de resistência muscular usando o peso do corpo, sem aparelhos de academia, como agachamento e polichinelo, fortalecendo os músculos, tonificando o corpo e ajudando na postura.

O objetivo é fazer, em curtos espaços de tempo, grande esforço, acrescentando períodos de descanso, em que se continua fazendo o mesmo exercício, mas de maneira mais suave e lenta. Use algum cronometro para marcar o tempo.  Durante os períodos de alta intensidade, o ideal é chegar a 80% da sua frequência cardíaca máxima. Para calculá-la, a sugestão é correr ou pedalar o mais rápido que puder por três minutos e descansar por dois minutos. Depois, esforce-se por mais alguns minutos até não aguentar mais. Neste momento, atingirá o pico da frequência máxima, que deve ser medido com o auxílio de um monitor de frequência ou pelo pulso.

Para resultados melhores, pode apostar em duas sessões de Fast Fitness e uma de Fast Strength por semana. Com a melhora da disposição, pode alternar os tipos, realizando-os todos os dias da semana.

Confira a matéria completa em http://goo.gl/cs2wJK.

 

Contra os padrões fitness, vídeo mostra mulheres “reais” praticando esporte

Basta dispensar poucos minutos no Instagram para se deparar com, no mínimo, uma mulher supersarada praticando exercícios na academia ou ao ar livre – sem uma única gota de suor. A onda fitness tomou conta das redes de maneira glamourizada nos últimos anos com blogueiras ultradedicadas e silhuetas esculpidas por treinos incessantes.

Para fugir, então, do estereótipo de que só as saradas são capazes de se dar bem nos esportes, a Sport England, órgão ligado ao Ministério de Cultura, Mídia e Esporte da Inglaterra, criou uma campanha empoderadora batizada de “This Girl Can” (essa garota pode).

Em um minuto e meio de vídeo, eles celebram mulheres reais nadando, dançando, correndo e lutando independente de seus corpos e de o quão suada elas estejam.

“Elas estão aqui para nos inspirar a mexer, balançar, movimentar e provar que o julgamento é uma barreira que pode ser superada”, diz os responsáveis pela campanha na descrição do vídeo.

A ideia é falar diretamente com meninas e mulheres que não se dedicam a nenhum tipo de atividade física, seja ela uma aula de Zumba ou uma caminhada pelo bairro.

Em entrevista ao The Huffington Post, Tanya Joseph, diretora executiva da campanha, disse que ao contrário da diferença salarial entre gêneros, a prática de exercícios é uma área na qual as mulheres não estão sendo deixadas para trás, mas estão ativamente escolhendo não participar dela. “Fizemos diversas pesquisas e o motivo era só um: o medo do julgamento”, contou.

Por isso, o vídeo não mostra as famosas blogueiras fitness, mas uma série de mulheres comuns, que saem às ruas e vão à academia sem receio algum. “Você vai ver celulite – sem nenhuma idealização ou visão estilizada”, acrescenta.

“Suando feito um porco, se sentindo uma raposa”, diz uma das participantes nos cartazes promocionais. Inspire-se!

Fonte: http://goo.gl/9gC3T7

10 alimentos amigos do cabelo

Bons cosméticos e aquele cabeleireiro descolado fazem milagre pelo seu visual. Mas de nada adianta ir ao melhor salão ou comprar os produtos mais high tech se você não cuidar da saúde do couro cabeludo nem fornecer os nutrientes que os fios precisam para crescer fortes e bonitos.

1. Cenoura
Ela oferece dois nutrientes: o betacaroteno e a vitamina A. O primeiro é um antioxidante que combate a ação dos radicais livres e, assim, evita a queda e a perda de pigmentos que deixariam o cabelo grisalho. Já a vitamina A atua na saúde das células do couro cabeludo, nutrindo-as, e interfere na produção da oleosidade natural do fio.
Quantidade ideal: 1 unidade média por dia.

2. Espinafre
Por conter ferro, mineral que participa na formação dos glóbulos vermelhos, nutre os folículos capilares. Daí a explicação para a carência da substância provocar a perda de brilho, ressecamento, fraqueza e até queda capilar. O espinafre é rico em clorofila, que, juntamente com o ferro, ajuda a equilibrar a oleosidade do couro cabeludo, fortalecer a raiz e normalizar o ciclo de crescimento dos fios.
Quantidade ideal: 1 prato de sobremesa por dia.

3. Aveia
O grão contém silício, mineral capaz de estruturar a queratina, proteína que forma o cabelo. A aveia traz ainda vitaminas do complexo B e zinco.
Quantidade ideal: 1 colher de sopa

4. Salmão
Além da proteína de altíssima qualidade, consuma também devido a boa quantidade de ácido graxo ômega 3 e selênio. Juntos, eles combatem inflamações, protegem o couro cabeludo contra a radiação ultravioleta e melhoram a circulação e a chegada de nutrientes ao bulbo capilar. Carne vermelha e frango também são boas opções de proteína magra.

Quantidade ideal: 1 filé médio pelo menos três vezes por semana.

5. Soja

Também é uma ótima fonte de proteína, nutriente que compõe 97% do cabelo. Se não há quantidade suficiente de proteína, o organismo não consegue produzir novos fios para substituir aqueles que caíram. Há ainda uma alteração do pigmento e da textura das mechas, que perdem a intensidade da cor e ficam opacas, secas, finas e fracas.
Quantidade ideal: 3 colheres de sopa por dia.

6. Laranja

O benefício para o cabelo está na parte branca que envolve os gomos, a chamada pectina. Ali ficam as fibras que vão ajudar a varrer para fora do organismo as toxinas, que, em excesso, contribuem para o aumento da oleosidade e o aparecimento da caspa.
Quantidade ideal: 1 unidade por dia.

7. Morango
A fruta oferece flavonoides e vitamina C, substâncias que ativam a microcirculação sanguínea no couro cabeludo. Resultado: os fios crescem mais rápido, resistentes e menos sujeitos à queda, quebra e ao ressecamento.

Quantidade ideal: 1 xícara de chá por dia.

8. Iogurte magro
Além de aminoácidos que fortalecem a fibra capilar, o iogurte traz vitaminas do complexo B. Elas favorecem o depósito de queratina no fio, deixando-o mais encorpado e resistente.
Quantidade ideal: 1 copo (200 ml) por dia.

9. Castanha-do-pará
A fruta oleaginosa merece espaço na sua dieta por oferecer zinco: a carência dele deixa o cabelo fino, quebradiço e sem brilho. Ingerir a dose necessária do mineral proporciona melhor crescimento e desenvolvimento capilar, ajuda reduzir a oleosidade excessiva e previne a descamação no couro cabeludo.

Quantidade ideal: 2 unidades por dia.

10. Agrião

A hortaliça fornece MSM, que é a forma biodisponível do enxofre. “O mineral é necessário para a manutenção e a produção da queratina. Também possui ação anti-inflamatória, o que ajuda a evitar a caspa.
Quantidade ideal: 1 xícara de chá por dia

Confira a matéria completa em http://goo.gl/vCWVWr.

alimentos-amigos-do-cabelo

Água ou Isotônicos: Qual é a melhor opção para se hidratar?

Quem malha sabe bem sobre a importância de se hidratar enquanto se exercita. Mas, qual a melhor opção, água ou isotônicos? Segundo estudos, considerando-se que há perdas significativas de líquidos e minerais durante o exercício, principalmente pelo suor (sudorese), nossa ingestão hídrica deve ser aumentada para que a desidratação não interfira no funcionamento do nosso organismo e no desempenho do treino.

Sendo assim, a hidratação deve ser feita desde o início da atividade porque não importa apenas o quanto você ingere, mas também a frequência. Até porque, a sede é um sinal tardio de desidratação (o corpo está pedindo água). Em qualquer atividade física não existe a necessidade que a hidratação seja feita com algo além da água, a não ser que essa atividade ultrapasse uma hora.

Isso tudo porque as reservas glicêmicas do nosso organismo seriam suficientes para manter a glicemia sanguínea em níveis aceitáveis, porém, ultrapassada essa duração, as bebidas esportivas que contenham apenas carboidrato seriam as alternativas mais interessantes para fornecerem substratos energéticos que retardariam a fadiga durante a atividade.

E os isotônicos? “Para que não haja confusão, bebidas isotônicas são chamadas assim por conterem uma concentração de eletrólitos semelhante aos fluidos do nosso corpo e, portanto, podem ser incorporados e transferidos para a corrente sanguínea. Elas contêm também carboidratos que reduzem o esvaziamento gástrico, por isso, sua ingestão só é aconselhada para atividades com durações maiores”, completa ele.

O objetivo da ingestão dos eletrólitos dos isotônicos é a reposição do que foi perdido no suor. A reposição eletrolítica evita perdas de sódio que por sua vez ajudam a reter a água no organismo. Os carboidratos, por sua vez, além de melhorarem o sabor, estimulam a absorção de líquido e dos eletrólitos e, como foi dito, são essenciais no retardo da fadiga.

A temperatura ambiente e o tecido das roupas utilizadas nos treinos também colaboram para manter uma boa hidratação.

Então não esqueça:

– Não espere a sensação de sede chegar, isso significa que você já esta desidratado;

– Escolha horas mais amenas para exercitar-se ao ar livre ou academias climatizadas;

– Utilize roupas que permitam a evaporação do suor.

Fonte: http://goo.gl/rrCXDi

TIDTVK

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 96.333 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: